Cronologia

CRONOLOGIA (DATAS E ACONTECIMENTOS)

1271 - Em 14 de Dezembro de 1271 é já citado o lugar de Môtargado ou Môtarcado (hoje Monte Arcado), o qual, cerca de dois séculos e meio (243 anos) mais tarde, viria a ser vila e concelho, estatuto que conservou até 1835. (1514 a 1835)

1338 - A 23 de dezembro de 1338 é dado foral das herdades de Covões e Siadouro a Vicente Domingues e Estevão Domingues por Dom Afonso IV.

1514 - MONTE ARCADO passava a vila e concelho. Faziam parte deste concelho as actuais freguesias cantanhedenses de Febres, Vilamar, Corticeiro de Cima e Camarneira.  Faziam ainda parte do concelho várias povoações do concelho de Vagos, do concelho de Mira e do concelho de Oliveira do Bairro – a Mamarrosa -, vindo esta última a ser desanexada juntamente com Arrancada (Febres) em 1792.  Arrancada, ou Póvoa da Arrancada, como então se chamava, passaria a partir daí a ser concelho (criado a 3 de Março de 1792 - até 1835) devido à grande dimensão do concelho de Monte Arcado.

1527 - Pelo numeramento populacional de 1527 é já possível aferir-se da importância em termos demográficos, registando os lugares de Monte Arcado, Covões e Malhada, no seu conjunto, um total de 299 vizinhos!

1558 - Ano de construção (ou já reconstrução?!…) da igreja paroquial de Covões.
A paróquia de Covões obtem nesse ano a imagem do padroeiro Santo António, que é uma obra do grande escultor e arquitecto francês Jean de Rouen.

1561 - Em mapa da autoria de Fernando Alvares Seco, surge Monte Arcado como uma das principais povoações desta área gandaresa-bairradina a par de Cantanhede e Cadima.

Século XVI - Acontece algures no século XVI a construção do cruzeiro do Santíssimo de Covões.

1698 - Data da construção do cruzeiro de Monte Arcado (ou antigo pelourinho?… e existiria perto um cruzeiro idêntico?) tendo sido sucessivamente reconstruido e remodelado em 1940, 1955, 1980 e 1996.

1727 - Reconstrução da igreja paroquial de Covões.

1757 - Um senso realizado nesse ano atribuia já a Monte Arcado uma população que rondaria as três mil almas.

1795 - O maior organeiro português, António Xavier Machado e Cerveira, constrói o órgão de tubos da nossa paróquia em 1795 com o número de ordem 46.

1835 - Com a entrada do Liberalismo desaparece o concelho de Monte Arcado (como muitos outros – eram mais de 800 concelhos e passaram a 308) e com a sua paróquia, Covões, passa para o concelho de Cantanhede.
1835 – O sino grande da torre da igreja foi fabricado em Cantanhede por Joaquim Dias Sorrilhas (fonte: cantanhede.cantanhede.eu (11-2014)

1868 - Inauguração no dia 13 de Junho de 1868 da Sociedade Filarmónica de Covões, que dá os seus primeiros passos abrilhantando a festa do nosso padroeiro Santo António.

1906 - Charles Lepierre procedeu em 1906 à análise química das águas mineralizadas do Montouro, classificando-as como cloretada mista.

1921 - No dia 1 de Outubro de 1921 faleceu Manuel Francisco Miraldo, fundador da Sociedade Filarmónica de Covões (nascido em 1845).

1923 - Em 1923 a nascente de Montouro foi concessionada, para construção de um estabelecimento hidrotermal (Diário do Governo nº 104, II série).

1933 - Faleceu em Outubro de 1933 o Dr. António Joaquim de Almeida e Vasconcelos, farmacêutico, fundador da primeira farmácia existente em Covões.

1936 - A concessão da nascente do Montouro foi declarada abandonada em 1936 (Diário do Governo nº 26, II série).

1937 - Aterragem em Fevereiro de 1937 em Covões (no Bárrio das Patas – Espinhaço de Cão) de 2 aviões militares, do Campo de Alverca.

1938 - Em 24/25 de Outubro de 1938 houve uma enorme polémica em Covões (onde até os sinos tocaram a rebate!…) quanto à ampliação do cemitério ou sua transferência de local. Depois de um grupo de moradores ter demolido parte dos muros, o cemitério foi ampliado continuando no mesmo local.

1941 - No dia 15 de Setembro de 1941 faleceu o padre Augusto Mendes Miraldo, meio-irmão de Manuel Francisco Miraldo fundador da filarmónica.

1943 - Em 1943 a nascente de Montouro foi de novo concessionada (Diário do Governo nº 197, III série).  Foi encarregado, em 1943, o Engº Luís Menezes Acciaiuoli, conforme publicação efectuada na “Hidrologia Portuguesa 1943-46”, publicada em 1947. Esta concessão também foi abandonada mais tarde.

1985 - Fundação a 24 de Abril de 1985 da Mini Banda de Covões (ou União Musical Santo António), formada por uns vinte elementos dissidentes da Filarmónica.

1991 - É fundada a Prodeco – Progresso e Desenvolvimento de Covões – no dia 1 de janeiro de 1991.

1993 - É desanexada da freguesia de Covões a freguesia de Camarneira a 9 de Junho de 1993.
1993 - No dia 13 de Junho de 1993 (dia de aniversário da filarmónica e da freguesia) é inaugurado o monumento ao músico no largo de Santo António em Covões.

1993 - É inaugurada a primeira fase – Jardim de Infância e Creche – do Centro Social de Covões a 8 de Dezembro de 1993.

1995 - É inaugurada a segunda fase – Lar, Centro de dia e Apoio Domiciliário -  do Centro Social de Covões no dia 29 de Agosto de 1995.

2003 - A terceira fase, a ampliação do Lar de Idosos iniciada em 2000, é inaugurada em 30 de Maio de 2003 após a sua conclusão. Tem actualmente uma capacidade de cinquenta leitos.
2003 - É inaugurada a Capela Mortuária ao fundo do cemitério em Covões.

2004 - Ordenação heráldica do brasão, bandeira e sêlo. Publicada no Diário da República – III série de 6/10/2004.

2007 - Depois de alguns anos de trabalhos e espera é inaugurada a nova sede (moderníssima e ampla) da nossa Banda Filarmónica.
2007 - Foram efectuados alguns trabalhos de campo pela Universidade de Coimbra em 2007  à nascente de água cloretada mista no lugar de Montouro.

2008 - Inauguração da Biblioteca Ludoteca de Covões e do Centro Paroquial.

2012 - Em príncipios de Abril 2012 foi inaugurado o Sistema de Saneamento de Covões Sul - ETAR , um investimento que ascende a 2.930.461 euros.