Cadima: Identidade e Pertencimento

CADIMA – IDENTIDADE E PERTENCIMENTO

capela-cadimaSegundo o historiador Carlos Fatorelli, Cadima é terra bem antiga, já habitada por alguns casais provenientes dos povos invasores que assolaram a Península Ibérica, muito antes da formação do Condado Portucalense (1094).
Sem nome próprio, suas terras eram chamadas de povoas e granjas, até que, alguns séculos depois, o alvazis (do árabe ár-al-wazir, juiz de determinada região) Dom Sisnando (conde) e ainda o rei Dom Sancho I (1189) as designam de povoação e vila ou quinta, mediante diploma particular autorizado pelos abades do mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, já que parte delas eram de sua jurisdição.
Sabendo-se que nos inícios da nacionalidade tais terras eram do domínio da Ordem de Santa Cruz dos Frades Cruzios, ordem religiosa sediada no Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, sabe-se também que no reinado de Dom Dinis aparece para elas o nome de CADIMA, no real cumprimento das leis de desamortização (1291); tal nome deve-se ao fato de sua esposa, Rainha Isabel de Aragão atravessar freqüentemente estas terras na procura de órfãs que educava no hospício que fundara, casando-as depois com os lavradores das terras locais que se iam fixando nos campos. Cadima significa Estrada Real.
Reinava Dom João III quando pelo ano de 1543 foi construída a capela de Santo Amaro, em local onde outra existia de menor dimensão, anexa ao celeiro e quinta sob o cuidado dos ditos religiosos, a Quinta de Santo Amaro.

Fonte: texto e imagem extraídos do Facebook e colocados pelo prof. Mário Ribeiro Caiado (em 8 agosto 2014)